Segunda-feira, 11 de Junho de 2012

Devagar, é certo,  mas a União Europeia está em mudança. E para melhor.

O resgate à banca espanhola, acordado este fim de semana, mostra como os ventos de mudança sopram, e trazem novas formas de resolver os problemas que têm estado a afectar a economia europeia. Vamos esperar para ver como vão os decisores da UE acomodar o "resgate espanhol" com os países que estão sob a alçada da Troika. É certo que Espanha já estava, desde 2011, a implementar medidas de austeridade, e que Mariano Rajoy, após a tomada de posse, ainda cortou mais na despesa para reequilibrar as contas públicas. Mas quando se trata de fazer um resgate, ainda que seja directamente para salvar o sistema bancário -- e não as finanças públicas -- não pode ser mais favorável para uns do que foi para outros. Por isso a Irlanda se apressou a exigir o mesmo tratamento que teve Espanha. É um problema que terá de ser esclarecido e sanado. Considerando as medidas já tomadas por Espanha, convém não esquecermos os seguintes dados referentes aos países resgatados: No que se refere ao défice, de 2011, tinhamos o seguinte quadro: Irlanda 11%, Grécia 9,2%, Portugal 8,9% e Espanha 8,51%. Quanto á dívida pública, estava assim: Irlanda 130% do PIB, Grécia 189%, Portugal 90%, Espanha 68,5%. O PIB de cada país somava: 141 biliões na Irlanda, 214 biliões na Grécia, 171 biliões em Portugal, e 1,073 triliões em Espanha (traduzido do inglês). Sãos números que impressionam. A Irlanda com a nacionalização dos bancos, em especial do Anglo-Irish Bank, passou a ter um défice de 32%... A Inglaterra pressionou Dublim para assegurar o dinheiro dos depositantes ingleses. De resto, a banca irlandesa tinha-se afundado no subprime norte-americano, facto que em nada abona os seus banqueiros. Espanha tambem tinha, e tem, uma "bolha imobiliária" na qual as Caixas de Aforro acabaram por morrer afogadas... Esse naufrágio alastrou aos bancos comerciais. Agora, o que resta, são os terrenos, as casas inacabadas, os barrios vazios de gente, as gruas paralizadas... Ninguem está a comprar, e os preços têm vindo a descer cada vez mais. Portanto se o resgate à banca espanhola beneficia a sua economia, tambem será benéfica para Portugal.

Hotel Mistral Sport em Gniewino (Polónia), residência da equipa espanhola,

que tem um custo/jogador de 4.000 euros (a mais económica), quando a nossa

Selecção paga por cada jogador 32.000 euros (a mais dispendiosa) de todas

as equipas do Euro2012. Pelo menos neste particular, já somos campeões...

 



publicado por Evaristo Ferreira às 15:15 | link do post

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

FIM DE CICLO...

A ENTREVISTA DE SÓCRATES

SÓCRATES NA RTP

PASSOS DE JOELHOS

DESCRÉDITO TOTAL

COM PAPAS E BOLOS...

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO!

OS PROFETAS DOS "MERCADOS...

QUE SE LIXE O "PÚBLICO"

OS PAPAGAIOS DO COSTUME

arquivos

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

links
blogs SAPO
subscrever feeds