Quinta-feira, 29 de Março de 2012

Há oito dias, tivemos um Congresso do PSD onde se falou de tudo e de nada.

Ontem, o primeiro-ministro Passos Coelho, concedeu uma entrevista televisiva, conduzida por Judite de Sousa. A jornalista conduziu Passos Coelho para o campo da macro-economia, e por aí se quedou. Ouvimos falar das "medidas estruturais", e pouco mais. Compromisso com o futuro do país, foi coisa com que Passos Coelho não se comprometeu. Sobre o fim ou a continuidade da austeridade, tambem não arriscou uma data. Do Portugal profundo e da carência de optimismo sentida pelos portugueses, Passos não se deu conta disso. Esta entrevista a Passos Coelho marca o virar de página de uma sagaz jornalista, que conduziu o primeiro-ministro para a charla da tecnocracia, esquecendo o estado de alma dos portugueses. Nem a jornalista soube explorar a oportunidade, nem o primeiro-ministro quis falar sobre o presente e o futuro do país. Continuamos, portanto, a navegar à vista, ao estilo "todos ao molho e fé em Deus". Contudo, a situação é negra, e deveria ser lembrada aos portugueses. É certo que a nossa situação é diferente da Grécia, mas continua a evoluir ao sabor da corrente, ou seja, depende, em larga medida, da evolução económica e financeira dos nossos parceiros da UE, designadamente de Itália, Espanha, Irlanda França e Alemanha. E este cenário nada tem a ver com as "medidas estruturais" tomadas por Passos Coelho, e que ele continua a sobrevalorizar. Isto não dependia de Sócrates, nem depende agora de Passos. A nossa crise é contaminada e aumentada pela crise internacional. Se Espanha não conseguir melhorar, Portugal vai ser arrastado pelos "mercados" para fora da estrada. Enquanto as nossas "obrigações" a 10 anos estão agora nos 11,33%, as de Espanha estão a 5,33% e de Itália a 5,11%. A Irlanda entrou novamente em recessão, e os dados sobre a UE não são animadores. Lá fora os "mercados" estão atentos. As nossas "obrigações" e as suas yields vão subir em flecha, logo que os "fundos" da banca nacional esgotem, deixando os bancos de comprar dívida nacional. O BCE não vai continuar a emprestar dinheiro àos bancos a 1%, para estes comprarem dívida dos estados a 5 ou 6%... A situação nacional tem-se agravado muito desde a queda do PEC-4. Em 2010 a nossa dívida era de uns 90% do PIB, e no final de 2012 ficará nos 120%. O PIB cresceu 1,3% em 2010, e afundou para 1,8% negativo em 2011. Para 2012 o PIB afundará perto dos 3,3%. Estes são dados que circulam nos "mercados", e foram retirados do Wall Street Journal. Esta "gente honrada" dizia que o Sócrates vivia na ilusão, quando falava ao país e mostrava confiança no futuro. Pois bem, agora esta "gente honrada" joga à apanhada, e está adormecida com o soporífero das "reformas estruturais". Era bom que alguem pudesse acordar estes tecnocratas, iludidos com o jogo de palavras cruzadas que eles inventaram.

Está tudo virado ao contrário, até o clima. Em Nova Iorque e Washington,

as árvores encheram-se de flores, tres semanas antes do que é habitual.



publicado por Evaristo Ferreira às 14:48 | link do post

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

FIM DE CICLO...

A ENTREVISTA DE SÓCRATES

SÓCRATES NA RTP

PASSOS DE JOELHOS

DESCRÉDITO TOTAL

COM PAPAS E BOLOS...

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO!

OS PROFETAS DOS "MERCADOS...

QUE SE LIXE O "PÚBLICO"

OS PAPAGAIOS DO COSTUME

arquivos

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

links
blogs SAPO
subscrever feeds