Sexta-feira, 23 de Março de 2012

Hoje, o meu estado de alma, impede-me de zurzir sobre os problemas do

quotidiano presente. Apossou-se de mim uma estranha mas agradável sensação de leveza espiritual, cuja origem me escapa. O que me apetece mesmo, neste tempo de verão precoce, é viajar até às terras transtaganas, quedar-me sub tegmini fagi, a vislumbrar cenas da vida quotidiana de Virgílio... Nesta hora, tambem me ocorre relembrar os tempos manuelinos, principalmente o primeiro quartel do século XVI, quando D. Manuel I chega ao poder, reforça o poder central, reforma os forais, e fortalece as finanças públicas. Os forais, na sua maior parte, estavam em latim bárbaro e poucos conseguiam ler o seu conteúdo. Além disso referiam-se a moedas que já não existiam. Ao actualizar os forais e reavalidar beneses concedidas, utiliza esta reforma para estabelecer novos impostos com base nos valores actualizados, gerando receitas que haveriam de servir para dar andamento ao grande projecto dos Descobrimentos Marítimos, os quais haveriam de tornar Portugal no maior entreposto comercial da Europa. Na política externa o rei Venturoso estabeleceu linhas de consenso para evitar futuros conflitos na península e com França e Inglaterra. Foi D. Manuel quem instituiu as Obrigações do Reino (e utilizou entre nós, pela primeira vez, o conceito de juros), destinadas a financiar a construção das diversas armadas (naus) ao serviço do reino nos mares do Atlãntico e do Índico. Portugal viveu, no primeiro quartel do século XVI, um período de grandeza e glória, graças à acção desenvolvida pelo rei Venturoso, cuja breve biografia pode ser consultada aqui. E agora, depois deste devaneio, regresso ao presente, e dou comigo a pensar se, no Portugal de hoje, com um poder forte, mas democrático, não seria possivel voltarmos ao nosso mar, para dele colhermos resultados económicos, que nos retirassem desta vida reles e mesquinha que estamos a viver.

À MARGEM: Faz hoje um ano que a Santa Aliança (PSD/CDS e PCP/BE), em concubinagem, se uniu para chumbar o PEC-4, e derrubar José Sócrates. Estranha "aliança", que reduziu o peso da esquerda, e levou a direita neoliberal ao "pote". Àlvaro Cunhal nunca faria um êrro destes.

O estilo manuelino, na arquitectura e no mobiliário, é uma herança do rei Venturoso.

Na nossa história não temos outro período tão rico e marcante como o de D. manuel I.



publicado por Evaristo Ferreira às 16:46 | link do post

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

FIM DE CICLO...

A ENTREVISTA DE SÓCRATES

SÓCRATES NA RTP

PASSOS DE JOELHOS

DESCRÉDITO TOTAL

COM PAPAS E BOLOS...

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO!

OS PROFETAS DOS "MERCADOS...

QUE SE LIXE O "PÚBLICO"

OS PAPAGAIOS DO COSTUME

arquivos

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

links
blogs SAPO
subscrever feeds