Terça-feira, 7 de Dezembro de 2010

Somos um país pobre, mas a maioria dos portugueses vive como se fossem ricos. Temos ordenados baixos, carências diversas, mas todos querem ter um Serviço Nacional de Saúde (SNS), gratuito ou tendenciamente grátis. Não pode ser assim. O SNS tal como está é uma fonte de desperdício. A despesa com o SNS está nos 10 por cento do PIB, e vai continuar a subir, porque, com ou sem medicamentos gratuitos, o portuguesinho não poupa na saúde. Médicos, farmaceuticos e doentes, "para a saúde", gostam de ter o melhor. Uns porque quanto mais se gastar, mais ganham; os utentes porque exigem o melhor para si. Ora, isto só num país rico. Mas há países ricos que não oferecem este "banquete" grátis aos seus  cidadãos. O SNS tal como está, é um sorvedouro de dinheiros públicos. Hospitais, pessoal, medicamentos, aparelhagem cirúsgica, meios de diagnóstico de ponta, tudo isto fica caro. Mas ninguem tem controle sobre a despesa. Os médicos receitam os medicamentos mais caros do mercado, os produtos de higiene desaparecem pelo cano abaixo, o corpo clínico esforça-se a facturar. O médico acede ao desejo do "doente" quando este lhe pede um medicamento para as insónias, para a dor de cabeça, para a azia do estômago ou para a dor nos calos... Como se isto não bastasse, ainda lhe concede um produto para as dores de dentes do cunhado, para a garganta do sobrinho, para a insónia do tio, etc. etc. O primeiro ministro afrontou a classe médica com a instituição do relógio de ponto, mas agora a classe médica vinga-se no desperdício... Quanto pior, melhor... Assim pensam os médicos ressabiados. O actual SNS é um serviço de "cinco estrelas" para os portuguses e para doentes estrangeiros ocasionais. É preciso acabar com o desperdício no SNS. A saúde dos portugueses começa na educação, na alimentação, no exercício físico. É por aí que deve começar a cuidar-se da saúde dos portugueses.

Hoje a imprensa vem a dizer que a insdústria farmaceutica atrasa o envio de medicamentos para as farmácias, porque estão a exportar para países onde esses medicamentos são mais caros... Tudo bem, isto é o "mercado" a funcionar, mas de forma mandriona, porque se existem oportunidades para exportar, então ponham todas as máquinas a trabalhar, mobilizem o exército, se preciso fôr. mas não nos venham dizer que não há capacidade para satisfazer o SNS e os pedidos do exterior. A ser verdade, isto é mais um desperdício, caramba!.



publicado por Evaristo Ferreira às 15:02 | link do post | comentar

mais sobre mim
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

FIM DE CICLO...

A ENTREVISTA DE SÓCRATES

SÓCRATES NA RTP

PASSOS DE JOELHOS

DESCRÉDITO TOTAL

COM PAPAS E BOLOS...

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO!

OS PROFETAS DOS "MERCADOS...

QUE SE LIXE O "PÚBLICO"

OS PAPAGAIOS DO COSTUME

arquivos

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

links
blogs SAPO
subscrever feeds