Quarta-feira, 16 de Março de 2011

Vivemos dias de enorme tensão. Aguardamos pelo resultado da audiência do Presidente Cavaco Silva ao líder do PSD, Pedro Passos Coelho, que se realiza amnhã; aguardamos pela aprovação do reforço do PEC na Assembleia da República, a fim de ser apresentado na reunião do Conselho Europeu a realizar nos dias 24 e 25 deste mês; ansiamos pelos trabalhos de reparação final da central atómico de Fukushima no Japão; assistimos, angustiados e impotentes, ao massacre de líbios pelas tropas de Kadafi na cidade de Bengazi; tememos o surto de nova crise económica mundial devido às consequências trágicas que se abateram sobre o Japão.Tudo isto contribui para tornar ainda mais sombria a vida de todos nós. Apesar de tudo, por cá, o Tesouro conseguiu colocar OT a 12 meses a 4,331 por cento, mais caro que anteriormente, mas dentro das previsões, e apesar da agência Moody's ter baixado o rating da República em doi níveis, na véspera deste leilão... Na subscrição das OT a procura superou a oferta em 2,2 vezes. Continuamos a ter crédito, embora mais caro. E continuamos a ser castigados pelas agências de rating, justamente aquelas que deram a nota mais alta ao banco islandês, o Icesaver, que faliu, levando a Islândia à bancarrota... Esta agência tambem penalizou a Espanha e a banca espanhola na semana anterior. A UE insurge-se, mas ainda não conseguiu impôr um regulador para estas agências americanas... No meio de tudo isto, os patrões da camionagem chegaram a acordo com o Governo no sentido de verem aliviados os custos da sua indústria, devido ao aumento do gasóleo... Em tempo de enormes dificuldades, é de aplaudir o bom senso das partes que negociaram o acordo, e que acabou por "desentupir" as estradas do país. Quanto à entrevista que o primeiro-ministro concedeu à SIC de Pinto Balsemão, já tudo foi "negado" pela oposição, que continua autista e alérgica a José Sócrates. Os "papagaios" do costume palraram o mesmo de sempre, e o patronato, os banqueiros e o Professor Marcelo são de opinião que o país não pode aceitar uma "crise política", na hora que passa. Seria um suicídio, uma catrástrofe financeira, um erro tremendo.

 

 



publicado por Evaristo Ferreira às 16:43 | link do post | comentar

Terça-feira, 15 de Março de 2011

Os portugueses que não vão em futebóis, vivem preocupados com a crise social derivada da crise económica, enquanto os partidos da oposição, em vez de apresentarem soluções credíveis para resolver o problema do défice e da dívida pública, apenas tratam de levar a água ao seu moinho, e de culpar o Governo por tudo o que de mal vai acontecendo pela Europa fora. Para os partidos do "arco governamental", o que mais os preocupa é o derrube do Governo, dirigido por José Sócrates. Esta é a preocupação do PSD e do CDS. Quanto ao PCP e ao BE já sabemos que não estão interessados em governar. Apenas têm como objectivo manter ou aumentar o número de deputados e contestar as medidas "capitalistas e liberais" tomadas pelos partidos do "arco governamental". A presente situação atingiu o climax, e, por isso, cabe agora ao Presidente da República e à oposição, resolver o impasse político que se adivinha, ao serem rejeitadas as medidas deausteridade negociadas pelo Governo em Bruxelas. Até ao final deste mês, vamos ter dias frenéticos, sobretudo para o primeiro-ministro. Vejamos o que nos espera:

1) Hoje, dia 15, os ministros das finanças reunem-se em Bruxelas para acertar a reforma do Fundo Europeu de Estabilização Financeira;

2) Amanhã, dia 16, o Parlamento debate as medidas do novo PEC com o Governo; o Tesouro coloca dívida nos "mercados";

3) Dia 17, Cavaco Silva recebe em audiência Passos Coelho; como é quinta-feira, José Sócrates vai a Belém para despacho;

4) Dia 18, sexta-feira, haverá debate quinzenal no Parlamento com a presença do primeiro-ministro;

5) Dia 19, a CGTP organiza uma Manifestação contra o Governo;

6) Dia 21, segunda-feira, a Direcção-Geral do Orçamento publica os números da Execução Orçamental de Fevereiro;

7) Dia 23, último dia para discussão do novo PEC, um dia antes do Conselho de Ministros da UE;

8) Dia 24, abertura do Conselho Europeu para fechar o pacto de competitividade e a reforma do Fundo Europeu de Estabilização Financeira;

9)Dia 28, segunda-feira, reacção dos "mercados" ao resultado do Conselho Europeu e evolução da taxa de juros para Portugal.

Com tudo isto, não é fácil fazer prognósticos quanto ao futuro. O país exige o nosso esforço. Mas há gente que se preocupa mais com futebol ou com os interesses partidários, deixando o país para segundo ou terceiro plano.



publicado por Evaristo Ferreira às 15:02 | link do post | comentar

Segunda-feira, 14 de Março de 2011

O primeiro-ministro, José Sócrates, foi encurralado pelo Presidente Cavaco Silva, no dia em que este tomou posse, e pela oposição, desde que aquele passou a governar com maioria relativa. Tudo foi conduzido no sentido de obrigar Sócrates a desistir de ser primeiro-ministro. Houve a campanha do CDS destinada a "descredibilizar" Sócrates; houve a manobra de Cavaco para evitar uma "crise governamental" antes da sua re-eleição; houve uma campanha para remodelação do Governo, que já se esfumou; houve a "ruptura" na tomada de posse de Cavaco, com o discurso "cruel" e imparcial do re-eleito Presidente. A par de tudo isto, os juros da dívida soberana tocaram os 8,00 por cento e o preço do petróleo, aliado à crise do Magrebe, alcançou os 120 dólares por barril, quando no Orçamento de Estado se havia estimado um preço de 85 dólares... Como se tudo isto não bastasse, a oposição, embalada pelo discurso da "magistratura activa" do PR, continuou a congeminar a queda de José Sócrates, chegando a atropelar-se na apresentação de "moções de censura". Com o silêncio de Cavaco, desde a re-eleição até à sua tomada de posse, os boys do PSD entraram em esquizofrenia, avançando com um plano de governo, orientado por António Carrapatoso, o homem do "Compromisso Portugal"... No dia da tomada de posse, Cavaco Silva, ignorando os "mercados" e a origem da crise financeira que assolou todo o mundo, despejou sobre o PS o rol de todas as desgraças que afligem este país. Cavaco Silva falou de uma "década perdida", de "sonhos e de ilusões", e esqueceu-se de que este país faz parte da UE, da Zona Euro, do Banco Central Europeu, e de que, tambem foi afectado pela crise financeira, como todos os demais países... Ou seja, a partir da "ruptura", tudo se complicou, toda a gente começou a gritar, tudo se virou contra Sócrates, até a "Geração à Rasca"  aplaudida e estimulada pelo Presidente Cavaco Silva.

Moral da história: por mais que um homem tenha vontade de lutar contra a crise e o péssimismo, mais tarde ou mais cedo, acaba por baquear, por efeito da arruaça e do verbo sibilino daqueles, que tinham obrigação de saber, que não é na rua que se resolvem os problemas. É impossivel José Sócrates continuar a remar, quando todos os outros não vêem a "crise", apenas sentem ódio pelo primeiro-ministro. De tal forma que os leva a nunca estarem dispostos a ajudar, não querem saber de nada, a não ser o chegarem à mesa do poder. Venham pois as eleições, venha o "salvador da pátria", deixemos o PR a escrevinhar no Facebook, para os "jovens" da "Geração à Rasca"... Desenrascam-se!

 

PARA OS RESSABIADOS: Os juros da dívida nacional desceram 32 pontos, dos 7,984 para 7,664 por cento, a 5 anos; 17 pontos para os 7,421 por cento no prazo a 10 anos. Por outro lado, a OCDE vem dizer que "a trajectória da economia portuguesa é de acelaração!...



publicado por Evaristo Ferreira às 14:52 | link do post | comentar

Sexta-feira, 11 de Março de 2011

--Com as novas medidas de austeridade anunciadas por Sócrates, antes da sua partida para Bruxelas, todos os portugueses passam a andar "à rasca". Agora só nos resta esperar pelos resultados da reunião do Eurogrupo, donde poderá vir uma réstea de esperança. Se assim não acontecer, e com os juros da dívida a rondar os 7,95 por cento, os "mercados" vão humilhar-nos, obrigando-nos a chamar o FMI, para piorar ainda mais a situação... A seguir toca a Espanha. Da minha parte, tambem posso afirmar que vou ficar "à rasca", com as novas medidas de austeridade. Mas como "há mais vida para além do défice", mudo de tom e viro-me para a manif de amanhã, organizada pela "Geração à Rasca", pelos "Recibos Verdes", por oportunistas de ocasião, como sejam os feirantes de farturas e bifanas manhosas.

Agora que tambem estou "à rasca", valorizo a manif de sabado, o "dia da ira", embora saiba que dela se vão aproveitar muitas "corporações", que não sentem a crise, nem precisam de ser "subsidiados" pelo Governo. Tambem não espero que dali resulte a "salvação da Pátria", o esconjuro do FMI e dos "mercados". Por isso, até entendo que naquele protesto apareça a banda do Gel e do Galâncio, para tudo acabar num baile de aldeia. De resto, pelo que vejo, a manif vai ser repleta de vedetas e de palhaços, alguns vindos da Madeira, como o Coelho do PND, ex-candidato à PR, que não foi convidado para estar na posse de Cavaco Silva, mas já foi seduzido para formar uma" parceria" com os "Homens da Luta" para criarem um novo partido, podendo, inclusivé, acompanhar os "rapazes da luta" ao concurso da Eurovisão. Só espero que estas "estrelas" não ofusquem os primitivos da ideia, ou seja, aqueles que tiveram a ideia de promover a "Geração à Rasca" no Facebook e depois na rua... onde se encontra o povinho. Consta-me que vão estar na manif de amanhã alguns políticos, como por exemplo  Francisco Louçã, vestido à maneira, com T-Shirt negra e calças à moda da "geração à rasquinha", isto é, a cair do rabo, o que obriga a andar sempre a puxar para ciima, para esconder o cú... Embora o Carnaval já tenha passado, é possivel que outros políticos sigam os passos de Louçã. E não podemos ficar embasbacados se, no meio daquele delírio, aparecer o "Embuçado", personagem de mistério, residente lá prós lados de Belém, que muito tem contribuido com o seu apoio, no sentido dos jovens "à rasca" se manifestarem na rua, gritando impropérios contra os partidos políticos e os deputados de S. Bento.

 

 

 



publicado por Evaristo Ferreira às 15:02 | link do post | comentar

Quinta-feira, 10 de Março de 2011

O discurso de Cavaco Silva na sua tomada de posse foi sectário, enviesado, parcial, sem sentido nem motivação para o país. Cavaco Silva mostrou ser intolerante, rancoroso e mesquinho, como o havia demonstrado no discurso feito aos apoiantes no dia da sua eleição. Cavaco Silva quiz vingar-se de Mário Soares, autor do "direito à indignação" nos tempos do bloqueio na Ponte 25 de Abril. Cavaco Silva, na noite da sua eleição, vituperou contra "aqueles que o caluniaram" com a venda de acções do BPN e a entrega da casa de Boliqueime por troca da moradia na Aldeia da Coelha... Logo aí deixou vislumbrar o quanto ele é intolerante, ressabiado e rancoroso com os adversários que lhe exigiram "a verdade" sobre assuntos que nunca foram exclarecidos. Nesta fase de mandato, Cavaco Silva apresenta-se tal como ele é: rural, conservador, alheio à cultura, tímido nas relações com o povo e os adversários políticos. Cavaco Silva não é capaz de falar com alguem, olhos nos olhos. Fala com os outros olhando para o lado, com o olhar no chão ou pestanejando. Não é pessoal afável, compreensiva, tolerante, capaz de sentir as aspirações e os anseios dos outros.

A pequenez de espírito e universalidade do pensamento de Cavaco Silva revelou-se ontem em todo o seu discurso. Falou de coisas banais, daquilo que todos os dias se matraqueia na comunicação social, com origem e raíz partidária. Nada de novo e de concreto trouxe para a política. Apenas uns laivos de pensamento ressabiado. Em vez de unir, galvanizar, incluir, apenas contribuiu para aprofundar a divisão entre os portugueses. Tornou-se num arauto da "Geração à Rasca", esquecendo os "mercados", que estão a sugar-nos juros obscenos. Cavaco apelou ao voto nele, para evitar que os juros da dívida subissem, mas tal como na Grécia e na Irlanda, os juros têm subido escandalosamente. Cavaco não é, afinal, o salvador da Pátria...

Cavaco Silva dividiu o país com o seu discurso. Foi sectário e parcial na apreciação da acção governativa. Esqueceu a crise internacional, que arrasou as economias ocidentais e levou países à falência. Esqueceu que a soberania portuguesa está ligada à UE, à moeda única, ao Banco Central Europeu. Cavaco Silva no último quartel do século XX não fez melhor, apesar de ter os fundos europeus, e ter o poder de emitir moeda, desvalorizar o escudo e vender barras de ouro. Deixou o país a fabricar calçado e com fabriquetas de tecidos e trapinhos, negócios que haviam passado para os países do teceiro mundo. Decididamente, este Presidente não é a pessoa indicada para presidir aos destinos de Portugal, nesta hora conturbada e de tremendas incertezas para as economias ocidentais.

Cavaco Silva apelou aos jovens, dando, assim, o aval às manifestaçoes da "Geração à Rasca", dos "Recibos Verdes", do PCP e do BE. Este apelo em nada vai resolver os problemas do país, só contribui para alhear os jovens dos reais problemas do país e da União Eropeia. O apoio de Cavaco a estas manifs, representa apenas populismo e demagogia. É uma lástima verificar como o país se encontra, nestes tempos dificeis, em mãos de gente tão mesquinha e sectária. De facto o país precisa de gente jovem, mas de juventude que nada tenha a ver com o passado, com o cavaquismo, com os oligarcas do BPN, do BPP e coisas afins. (Cai o pano, mas a farsa vai continuar, com a moção de Louçã).



publicado por Evaristo Ferreira às 11:52 | link do post | comentar

Quarta-feira, 9 de Março de 2011

Vasco Graça Moura (VGM), escritor, tradutor, palrador, linguísta, ex-deputado europeu, ex-poeta mediano, vem hoje falar sobre o Messias que está prestes a chegar a Belém. VGM é, acima de tudo, um comentador político, escatológico quanto basta, ou seja, é um produtor de escrementos. VGM já não faz poesia, agora, dedica-se ao messianismo e à escatologia política em particular. Repare-se na sua verve: "Portugal apodrece"; "Vassourada, precisa-se" o primeiro-ministro apresentou-se em Berlim, "em cuecas a ofender o pudor da respeitável matrona [Merkel]"; "o homem [foi] a Berlim com as calças na mão"; arremessou oito séculos de história, "em bicos de pés às ventas resfolegantes dos Teutões"; "É preciso defenestrar Sócrates", and so on. VGM padece, sofre como um grogue, rói as unhas por desespero. Mas não desanima, pois "o Presidente [Cavaco Silva] vai falar sem rodeios" na hora de tomar posse. O escritor-tradutor VGM, está certo de que esta, é a hora messiânica, o fim do socratismo, a salvação da Pátria, e o "Messias", para VGM, é o Presidente Cavaco Silva. Ele vai falar, "referir-se aos falhanços sucessivos e catastróficos de uma governação aldrabona". "O ideal seria mesmo que anunciasse a sua intenção de os pôr na rua (aos socialistas)". Além disso, "a esquerda é useira e vezeira em trejeitos hipócritas de circunstância: entra em transe patrioteiro, põe os olhos em alvo e dão-lhe uns tremeliques de excitação urinária". E o escritor-tradutor VGM dita: "Não é de concórdia que Portugal precisa: é de uma boa vassourada". "O Presidente tem de ajustar contas com um governo que nos desgraçou", desabafa o escatológico ex-poeta, tradutor de Dante, Petraca e Goethe. Ele acha que Portugal vai sair da crise, com discursos destes, com cheiro a excrementos...

 

GERAÇÃO À RASCA: A RTP, paga por todos nós, tem dirigentes do calibre de Vasco G Moura. Desistiu de zelar pelas artes e pela estética em geral, preferindo a propaganda do Gel e do Galâncio, dois oportunistas àvidos de fama e proveito.. "Gostamos que nos amem ou nos odeiem. O pior que pode haver para um artista é passar despercebido", diz o Gel em entrevista ao DN. Ora nem mais, venha a fama, a qualquer preço, e que se lixe a boa música e o belo canto... Vergonhoso é a RTP ter aceite a proposta do Gel e do Galâncio. Estes estão em sintonia com o VGM, ou VGM está conforme aos "Rapazes da Luta". Todos eles cheiram a excrementos.



publicado por Evaristo Ferreira às 14:51 | link do post | comentar

Terça-feira, 8 de Março de 2011

Não sou pessoa de acreditar em teorias de conspiração, mas no que se refere ao enfraquecimento do Euro, começo a ficar com muitas dúvidas. Estou quase a acreditar que existe uma conspiração contra a moeda única europeia. Há cerca de um ano, os gurus da advinhação sobre o futuro da crise financeira, falavam muito sobre a hipotética saída do Euro de países como a Grécia, Portugal, Irlanda e Espanha. Entre os "oráculos da desgraça" estavam Nouriel Roubini, Stiglitz, Axel Weber, etc. Agora, os coveiros de serviço, são as agências de rating, que "desvalorizam" países com défices altos, bancos sem dinheiro, dívidas soberanas, etc. Ontem a Moody's baixou o rating da Grécia em dois pontos. Resultado, o estado helénico pagava juros de 11,37 por cento para se financiar, e hoje os juros subiram para os 13,00 por cento... Quer dizer, se o doente não morre da doença, acaba por morrer da cura... A Grécia, antes de ser "socorrida" pelo FMI, era aconselhada pelos "oráculos da desgraça" a sair do Euro. Com a Irlanda passa-se outro tanto: pediu ajuda ao FMI e está a pagar juros de 9,75 por cento... Portugal tomou medidas adequadas, e dolorosas para os funcionários públicos, não precisa do FMI, mas os "coveiros do Euro", insistem em que apelemos ao FMI, já que os juros estão a 7,54 por cento. Veremos quanto vamos pagar amanhã, quarta-feira, quando o Tesouro vai colocar dívida nos "mercados". Com os juros a subir e as agências de rating a empurrar-nos para o abismo, ameaçando com mais descidas no rating da dívida portuguesa, nos bancos e empresas públicas, tudo me convence que Portugal é "campo de batalha" na luta contra o Euro. Como se isto não bastasse, o BCE, pela voz do seu governador, senhor Trichet, anunciou no dia 3 que vai subir a taxa de referência, para combater a inflação... prejudicando os consumidores, as famílias endividadas, com o crédito à habitação a subir. Uma semana depois, vêm agora os "oráculos da desgraça" coroborar as medidas de Trichet, exigindo que suba as taxas de referência 3 ou 4 vezes este ano... Está tudo louco, ou tudo se enquadra para acabar com a moeda única. As reuniões do Eurogrupo, dia 11, e dos 27 países a 24 e 25 deste mês, vão mostrar se a UE está interessada em defender o Euro ou se vai dar sinais aos "oráculos da desgraça" de que não "percebe" o que está a acontecer.

Depois das últimas subidas, o euro voltou a cair hoje, por efeito da Grécia.

 



publicado por Evaristo Ferreira às 15:07 | link do post | comentar

Segunda-feira, 7 de Março de 2011

São tantos os "papagaios" palradores da nossa praça que tenho dificuldade em os inumerar. Hoje vou citar dois deles que, aliás, já foram aqui anotados. Refiro-me ao evangelista-economista João César das Neves, por padecer do "síndroma do dentista". É verdade, este economista pantomineiro (de pantomima), na sua página semanal do DN, proclamou hoje o seguinte: "As finanças são explosivas, como a nitroglicerina".  Isto para falar dos "agentes financeiros tolos" que fizeram "operações mirabolantes" e "criaram [com isso] a brutal crise mundial". O evangelista César das Neves, ocupante da cátedra na Católica, enredou-se em histórias mirabolantes para poder provar a sua tese. Cita Alfred Nobel (pólvora), os irmãos Wright (pioneiros da aviaçao) e Scholes e Merton (Nobeis da Economia), e, em face deste Triangulo das Bermudas, chegou à conclusão de que "As finanças são explosivas, como a nitroglicerina". Parece uma verdade de La Palisse, uma invenção do professor Girassol (amigo do Tin-Tin), mas não passa de uma pantominice de um pantomineiro. César das Neves gosta de brincar com tudo, a feijões, por isso devemos ter presente que ele é inimputável. Mas ele lá continua, a dar lições de economia...

Outro "papagaio", o mais célebre de todos, o deão da capoeira, é o Professor Marcelo. Na missa dominical, celebrada ontem na TVI, Marcelo deixou conselhos a Cavaco, deu os parabéns ao "camarada Jerónimo" pelos 90 anos do PCP, teceu lôas a Marques Mendes, anotou que o PSD "anda às turras", desvalorizou Sócrates, aplaudiu a manif da "Geração à Rasca", por aí fora... Marcelo perde-se, quando toma a palavra. Ainda acabou por dizer que "acertou", nas previsões feitas na missa anterior. Marcelo zurziu em Rui Rio e Santana Lopes, tal como faria um bom "domador" de circo, de chicote na mão e cartola na cabeça. Marcelo é mais intuitivo, ainda mais certeiro do que o Professor Karamba...

 

ESTA É A SEMANA de todos os desafios para José Sócrates.

Dia 9 toma posse Cavaco Silva, e este certamente vai deixar ameaças; no dia seguinte, o BE de Louçã, apresenta a sua moção de censura ao Governo, desestabilizando ainda mais o país; a seguir, dia 11 de Março, Sócrates vai enfrentar o conselho de ministros do Euro Grupo. É uma semana desgastante para o primeiro-ministro, que ainda tem de ouvir falar da manif da "Geração à Rasca" que, de "espontânea" e independente , deixou de o ser, com a colagem do BE e do PCP. Não é fácil ser primeiro-ministro deste país, sobretudo em tempo de crise financeira, económica e social.



publicado por Evaristo Ferreira às 15:07 | link do post | comentar

Sexta-feira, 4 de Março de 2011

Vivemos um tempo de enormes dificuldades, mas os políticos que temos -- a oposição que temos -- não se mostra preocupada em ajudar o Governo a resolver os problemas, antes pelo contrário, procura é atrapalhar a acção governamental. Prova disso é o decreto parlamentar aprovado hoje na AR com os votos do PSD-PCP-BE. O maior partido da oposição, o PSD, procura, assim, aliado à extrema-esquerda, torpedear as medidas de contenção orçamental tomadas pelo Governo do PS. Com esta medida, a despesa do Estado vai subir em 139 milhões de euros. Chegamos a este ponto de rutura: a oposição não deixa o PS governar. Aliado à extrema-esquerda, o PSD abre o caminho para "armadilhar" as contas do Governo. É a pressão dos boys do PSD sobre Passos Coelho, para provocarem a queda de José Sócrates, e reclamarem eleições antecipadas. A irresponsabilidade política desta gente, conduz Portugal para o abismo. E acaba por dividir, mais uma vez, o PSD. Ontem apontei aqui o nome dos boys que andam a minar a estabilidade política exigida pelo PR e por parte do PSD. Hoje registo o nome daqueles que estão interessados em dar ao Governo, a oportunidade de resolver a crise do país. Em primeiro lugar está Passos Coelho, depois estão Rui Rio, Manuela Ferreira Leite, Pacheco Pereira, Santana Lopes, Eduardo Catroga, Nogueira Leite. Estes são os que têm consciência de que, este tempo, não está para aventureirismos políticos, e defendem que o acutal Governo deve governar, e bem, até final do seu mandato. Os boys apontados no post de ontem, incluindo António Carrapatoso, defendem a demissão do Governo e a convocação de eleições antecipadas... Decididamente, o país está à mercê desta gente. E, para tornar as coisas mais dificeis, o presidente do PSD, Passos Coelho, nem sequer tem assento no Parlamento para poder evitar os desvarios dos seus deputados, que hoje aprovaram o decreto-lei sobre o ensino básico, donde resulta um agravamento da despesa na ordem dos 139 milhões de euros. Por este andar, se Passos Coelho não mostrar a sua discordância, o Grupo Parlamentar do PSD passa a governar o país em "comunhão de bens" com o PCP e o BE... Sem legitimidade institucional. Pior: este episódio pode dar inicio à fragmentação de tendências dentro do PSD. E mais uma vez vamos assistir à degradação da vida política, e ao adiamento de soluções políticas para o país.



publicado por Evaristo Ferreira às 14:50 | link do post | comentar

Quinta-feira, 3 de Março de 2011

Os boys e as girls do PSD não gostaram de ouvir, ontem, Angela Merkel dizer que Portugal "está no bom caminho" e que não via necessidade de o país recorerr ao FMI para resolver o problema da sua dívida. O deputado Miguel Frasquilho, do PSD, que aspira a um cargo governamental na área das Finanças, disse que José Sócrates apresentou a Angela Merkel "dados francamente negativos". Assunção Cristas, deputada do CDS, lamentou que tenham sido apresentados "resultados cirúrgicos" sobre a execução orçamental. Na extrema esquerda, os bloquistas de Louçã falam de "marketing governamental" e Honório Novo, do PCP, disse que os números apresentados por Sócrates só servem para "impressionar Angela Merkel".Com esta "contra-dança" da oposição, que é incapaz de dançar o tango, o nosso Parlamento vai continuar a exibir sessões de hard-rock orquestradas pela direita e cantadas pela extrema-esquerda. Cá fora, nos jornais, nas rádios e televisões, os boys e as girls do PSD vão aplaudir o desempenho dos rockeiros, palrando e fazendo eco das suas canções. Para isso, estão Marques Mendes, Filipe Menezes, Marco António, Miguel Relvas, Miguel Macedo, Paulo Rangel, Aguiar Branco, Alberto João, Fernando Ruas, Angelo Correia, Paula Teixeira da Cunha e o Professor Marcelo. Cada um com o seu instrumento, a sua voz, a sua cantilena. Até que a voz lhes dôa, e fiquem afónicos de tanto tagarelarem. Mesmo assim, ainda serão capazes de prosseguir na choradeira, até que Passos Coelho lhes prometa um lugar à mesa do poder. A esta gente, e nesta hora, só lhes interessa chegar ao poder... Os interesses do país, ficam para segundo plano. Diria mais: nem sequer pensam na situação de crise em que o país se encontra.



publicado por Evaristo Ferreira às 15:18 | link do post | comentar

mais sobre mim
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

FIM DE CICLO...

A ENTREVISTA DE SÓCRATES

SÓCRATES NA RTP

PASSOS DE JOELHOS

DESCRÉDITO TOTAL

COM PAPAS E BOLOS...

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO!

OS PROFETAS DOS "MERCADOS...

QUE SE LIXE O "PÚBLICO"

OS PAPAGAIOS DO COSTUME

arquivos

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

links
blogs SAPO
subscrever feeds