Sexta-feira, 15 de Fevereiro de 2013

Vasco Graça Moura celebrou ontém, no Grémio Literário, os 50 Anos da sua vida

literária. Foi uma cerimónia com etiqueta, com elegância, com fado à mistura. Foi um "serão fadista" para apresentar uma coletânea de textos diversos sob a capa de Discursos Vários Poéticos. A apresentação coube ao ensaísta e catedrático de Literatura, Fernando J.B. Martinho, e a Marcelo Rebelo de Sousa. Ora, Vasco Graça Moura poeta, tradutor e político, é tambem uma figura controversa e trauliteira. Não podemos ignorar  o lado menos poético do poeta. Permito-me pois transcrever aqui parte do Poema-Testamento escrito por VGM em 2001 -- à boa maneira de Francois Fillon -- durante o regresso de uma viagem ao Porto, e no qual é perceptível o estilo escatológico do tradutor de Dante. Estou certo de que VGM não falou ontém no Grémio Literário, deste seu poema panfletário. Aqui fica um breve resumo:

"No ano em que sou trintão/ tempo de ver-me sem lisonja/ mas sem temor, sem contrição/ [...] deram-me amor, literatura/ algum suor, algum afecto/ e meias-tintas de amargura/ [...] bem quis as artes da pintura/ tinha algum jeito no desenho, mas o real sempre era estranho/ [...] entre o real e o meu engenho/ [...] fiz uma longa aprendizagem/ muitas rasuras e rascunhos/ muitos registos de passagem/ muitos borrões e gatafunhos/ [...] o óscar lopes e o david, deram-me as regras do jardim:/ vinho fazer da minha vide/ nunca ficar assim-assim/ montar em pêlo e em selim/ das teorias me dispenso/ [...] aos inimigos (pura perda/ de tempos ouvi-los a rugir-me)/ a esses deito toda a merda/ com que quizeram atingir-me/ e ao deixá-la digo a rir-me/ "comeia toda agora a cru/ que a disgestão vos seja firme/ e ao fim lambei o próprio cu" [...] se cada um só quer ver quanto/ ressona mais do que o vizinho/ eu sendo assim, não me levanto:/ vai Portugal por maus caminhos/ [...] que eu sempre fui bom cavaquista/ nem é preciso repeti-lo:/ anos depois já só avista/ tanto canário, tanto grilo/ tanto gorjeio, tanto trilo/ que de promessas se guarnece:/ um mundo e outro, isto e aquilo/ e o povo tem o que merece/ [...] "terceira-idade", digo e brinco/ sem ter poção nem amuleto/ que me devolva aos trinta e cinco/ e reestofe o esqueleto./ outros fariam un soneto/ de hora final quando a mão treme/ eu escrevi este folheto/ e assinei-o vgm".

O estro escatológico de Francisco José Viegas, patente na carta dirigida a Paulo Núncio, apesar de deselegante, não atinge o afrontamento nem o azedume que Vasco Graça Moura verteu no seu poema-testamento.

 

O editor José da Cruz Santos publicou o "testamento de VGM" nas Edições Asa.

 



publicado por Evaristo Ferreira às 15:59 | link do post

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

FIM DE CICLO...

A ENTREVISTA DE SÓCRATES

SÓCRATES NA RTP

PASSOS DE JOELHOS

DESCRÉDITO TOTAL

COM PAPAS E BOLOS...

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO!

OS PROFETAS DOS "MERCADOS...

QUE SE LIXE O "PÚBLICO"

OS PAPAGAIOS DO COSTUME

arquivos

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

links
blogs SAPO
subscrever feeds