Quarta-feira, 29 de Fevereiro de 2012

Vivemos num mundo onde impera a mentira. O cidadão, nos tempos

que correm, não deve aceitar que os outros pensem por ele. Sempre que lhe é vendida uma «notícia», deve interrogar-se sobre as origens desta, e fazer o seu próprio juizo sobre a mesma. Hoje, os interesses instalados, utilizam o marketing para fazer vingar as suas ideias. Vendem «gato por lebre», mentem com todos os dentes, confundem qualquer cidadão. Analisemos dois temas europeus: a dívida soberana e os eurobonds. Primeiro: a dívida soberana tem servido para a banca europeia recuperar da crise financeira causada pelo subprime. Ontem, o Banco Central Europeu (BCE), abriu os cofres para emprestar dinheiro à banca europeia. Foram premiados 800 bancos, que encaixaram 529,5 mil milhões de euros com juros a 1% por um período de 3 anos. Para dinamizar a banca -- dizem-nos -- e, assim, poderem facilitar o crédito às PMEs. Pura mentira. A banca europeia pede ao BCE dinheiro a 1% e, depois, compra dívida soberana (de Espanha, Itália ou Bélgica) para receber 5 a 6% de juro... Um negócio das arábias. Um grande embuste. Agora, aqueles que andam a reclamar pelos eurobonds (obrigações europeias), já deverão compreender a razão pela qual a Chanceller Angela Merkel, não poderá, na presente conjuntura, aceitar a emissão daqueles instrumentos financeiros. Os biliões perdidos pelos bancos europeus de investimento com a crise do subprime, estão a ser recuperados através dos países que recorrem aos «mercados» para vender dívida soberana, com juros entre 5 e 8%, como aconteceu no passado recente. Os bancos alemães, franceses e holandeses estão a encher os cofres: pedem dinheiro ao BCE a 1% e depois emprestam (aos países endividados) a 5 ou 6%... Para que este negócio se realize, a senhora Merkel vai insistindo (junto dos países endividados, como Portugal, Grécia e Irlanda) que o essencial, para «superar a crise», é reduzir as dívidas soberanas. Neste negócio de usura e pirataria, há ou não há, aqui uma grande mentira, um enorme cambalacho, e uma perigosa política fraudulenta, que está a arruinar os países do sul da Europa?...« Emprestar à banca, para esta emprestar à economia» -- dizem os tolos que nos querem impingir gato por lebre. E, todavia, as pequenas e médias empresas, continuam a dizer que os bancos não lhes empresta dinheiro. Pudera! Como disse Mário Soares, este «capitalismo selvagem, de casino» tem que ser regulamentado, pois como está, enriquece (cada vez mais) os ricos, e empobrece, de dia para dia, os pobres e remediados.

As eleições presidenciais na Rússia estão a decorer desde 17 de Fevereiro,

até domingo. Primeiro votaram as forças armadas de terra, mar e ar, deslocadas

ou em serviço noutros países. Depois as povoações espalhadas pela tundra e

nas zonas polares do ártico, servidas por helicópteros ou viaturas próprias para

andar sobre a neve. No país mais extenso do mundo, esta é uma tarefa que

requere uma grande logística e muitos recursos financeiros e humanos.



publicado por Evaristo Ferreira às 14:52 | link do post | comentar

mais sobre mim
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

FIM DE CICLO...

A ENTREVISTA DE SÓCRATES

SÓCRATES NA RTP

PASSOS DE JOELHOS

DESCRÉDITO TOTAL

COM PAPAS E BOLOS...

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO!

OS PROFETAS DOS "MERCADOS...

QUE SE LIXE O "PÚBLICO"

OS PAPAGAIOS DO COSTUME

arquivos

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

links
blogs SAPO
subscrever feeds