Terça-feira, 11 de Janeiro de 2011

O Diário de Notícias (DN) continua a esmiuçar o "monstro" criado a partir do cavaquismo, e que foi mantido e alargado pelos governos que se lhe seguiram. Para criar mais controvérsia, o DN de hoje inclui uma pequena entrevista, feita a Miguel Cadilhe, antigo ministro das Finanças do governo de Cavaco Silva no período de Novembro de 1985 a Janeiro de 1990. Este "factor-mix" enriquece o "Verdadeiro Retrato do Estado" que está sendo publicado pelo DN, porque, assim,  confronta os autores do "monstro" com a situação a que o país chegou. É verdade que Cadilhe, como ministro das Finanças naquela época, foi beneficiado com os milhões que choviam diáriamente em Portugal, vindos de Bruxelas. Mas tambem é verdade que nem sempre esteve em sintonia com o então primeiro-ministro, Cavaco Silva. Cadilhe acabou por sair do governo devido a um problema relacionado com o pagamento do imposto de Sisa sobre um apartamento adquirido nas Amoreiras. Saiu por falta de apoio político, ressabiado com a falta de solidariedade do próprio Cavaco Silva. Desde então dedicou-se ao ensino e foi percorrendo as cadeiras do poder nos grandes bancos: BPA, BCP e por fim BPN. A sua "transferência" do BCP para o BPN valeu-lhe, na altura, um seguro de milhões... à boa maneira de um craque de futebol. Mas afinal, que diz Cadilhe ao DN?  Pouco, nada, tudo fora de contexto temporal. Falou como Medina Carreira, Catroga, Bagão Félix ou qualquer outro "papagaio" da nossa praça. "Talvez agora se compreenda por que estive contra a Expo'98", disse o professor Cadilhe. Eu não me lembro deste facto, mas sempre penso que a Expo'98 foi das coisas mais importantes que se fizeram para valorizar a capital do país e projectar Portugal pelo mundo fora. A gestora Parque Expo tinha muito terreno para venda, muitos projectos para vender, muitos meios para realizar fundos. A prova disso são as unidades hoteleiras, as unidades de restauração, de diversão, a estação ferroviária projectada pelo arquitecto Calatrava, os parques e jardins que compôem o Parque das Nações, o Oceanário, a Marina, etc. Não vejo razão para queixumes. Quanto ao resto, trata-se apenas de chorar sobre o leite derramado. Disso estamos nós fartos. Cadilhe refere-se a "serviços susceptíveis de pricing" e ao conceito de "utilizador-pagador", como sendo ideias da sua lavra. Responde com sabedoria professoral às perguntas do DN, mas isso peca por falar de coisas que estão fora do contexto da actual situação: agora não temos uma torneira a pingar milhões da CEE, esta passou a União política, monetária e económica; tem um Banco Central, um Tratado de Lisboa; caminhamos para uma política fiscal, financeira e de governação únicas. Cadilhe além de receber os "milhões" da CEE, ainda podia, em caso de descontrolo financeiro, desvalorizar o escudo, subir os juros. Tudo isso é passado. Analisar a situação do país agora, é preciso ter presente o actual contexto político.

A China apresentou ao secretário da Defesa dos EUA o protótipo

de bombardeiro furtivo (stealth) fabricado com tecnologia chinesa.

A potência asiática torna-se num gigante da aeronáutica militar.



publicado por Evaristo Ferreira às 18:13 | link do post | comentar

mais sobre mim
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

FIM DE CICLO...

A ENTREVISTA DE SÓCRATES

SÓCRATES NA RTP

PASSOS DE JOELHOS

DESCRÉDITO TOTAL

COM PAPAS E BOLOS...

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO!

OS PROFETAS DOS "MERCADOS...

QUE SE LIXE O "PÚBLICO"

OS PAPAGAIOS DO COSTUME

arquivos

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

links
blogs SAPO
subscrever feeds