Terça-feira, 15 de Novembro de 2011

Está a ser feito o julgamento do processo Face Oculta, envolvendo dezenas

de presumíveis delinquentes acusados de corrupção, por trocarem robalos por alheiras, Mercedes por sucata,  canetas Parker por informação previlegiada. Mas a comunicação social, tem vindo a chamar a nossa atenção para um crime de colarinho branco, perpetrado no Brasil, em cujos autos é acusado Duarte Lima por homicídio de Rosalina Ribeiro, a quem teria subtraído 5.250 milhões de euros. Neste processo, o que me mais me impressionou, foi a entrevista dada por Duarte Lima a Judite de Sousa. O acusado negou tudo, com frieza e algum atabalhoamento, e terminou a entrevista com um olhar fixo e desafiante, sem responder à questão que lhe fora colocada, mostrando-se hermético e frio como o mármore... Fez-me lembrar O Retrato de Nikolai Gógol. O autor conta a história de um "misterioso quadro (representando uma figura de olhar penetrante) que tem o poder malífico de despertar em todos os que entram em contacto com ele a perversidade e os piores sentimentos". Foi o que eu senti, ao ver a figura que fez Duarte Lima no últimos instantes da entrevista a Judite de Sousa. Um olhar, simplesmente tenebroso.

Com o passar dos dias, cada vez sinto mais que a Justiça não é cega...

Tambem aqui, falando de Justiça, vem-me à memória a Filosofia na Alcova, do Marquês de Sade. É verdade que Sade era um libertino, tinha ideias perversas, mas tambem tinha claravidência. Ao instruir uma jovem, levando-a aceitar as ideias mais perversas, Sade afirmava, em certo passo da sua Filosofia na Alcova, que as "leis tinham sido feitas para defender os poderosos; nunca aqueles que nada tinham". E concluia, afirmando que os poderosos precisavam de leis para proteger os seus bens, e punir, com elas, os que nada tinham, porque estes roubavam a quem tinha, e geralmente faziam-no para matar a fome, para sobreviver. Os pobres, que nada tinham, não precisavam de leis, para se proteger. Os ricos, por terem bens, deviam ser punidos por deixarem roubar, por não terem cuidado de guardar os seus bens. Pondo de lado os tempos, e as leis, feitas conforme os tempos, ainda acredito que Sade tinha razão. A Justiça protege os poderosos... Um mendigo rouba uma maçã, um pão ou uns sapatos velhos, é preso, acusado de roubar, encarcerado, maltratado. Poderosos, ladrões de colarinho branco, roubam milhares de milhões, e esquivam-se ao castigo e à punição, por entre as malhas da lei... Veja-se o processo Casa Pia, o caso BPN e BPP (bancos assaltados pelos Irmãos Metralha do cavaquismo), o caso Millennium, o caso Portucale (dos sobreiros), o caso de Duarte Lima... A Justiça que temos não é cega, vai perdoar a todos eles.

Em contra-ponto a toda esta injustiça, e para esquecer o "olhar malífico de Duarte Lima", viro-me para o Louvre, para recordar Mona Lisa, com o seu lindo (e enigmático) sorriso, cheio de beleza e serenidade, mais o seu doce olhar. Obrigado, Leonardo da Vinci.



publicado por Evaristo Ferreira às 14:40 | link do post | comentar

mais sobre mim
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

FIM DE CICLO...

A ENTREVISTA DE SÓCRATES

SÓCRATES NA RTP

PASSOS DE JOELHOS

DESCRÉDITO TOTAL

COM PAPAS E BOLOS...

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO!

OS PROFETAS DOS "MERCADOS...

QUE SE LIXE O "PÚBLICO"

OS PAPAGAIOS DO COSTUME

arquivos

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

links
blogs SAPO
subscrever feeds