Quarta-feira, 29 de Dezembro de 2010

No exercício de livre opinião, seja em análises políticas, na crítica ou no comentário à acção dos políticos, sou de opinião de que deve haver limites para a publicação da asneira, da calúnia, da falsidade, da acusação gratuita, sobretudo quando se trata de dirigentes eleitos pelo povo. O mínimo que se deve exigir, nestes casos, é contenção nas palavras e respeito pela pessoa à qual o eleitorado incumbiu para desempenhar o cargo de Presidente da República ou de Primeiro-Ministro. Os ataques soezes que por vezes são dirigidos a estes magistrados da Nação, apenas demonstram, por parte de quem os comete, falta de educação e de respeito perante os eleitos pelo povo. Não respeitar as pessoas eleitas para aqueles cargos, é cometer um acto de irresponsabilidade, é não respeitar a função dos mais elevados cargos da Nação. Sim, é verdade que os deputados tambem chegam à AR por meio de eleições, mas estes não são eleitos directamente pelo povo; são, em primeiro lugar, pelos partidos a que pertencem, e raramente são nados e moradores no circulo eleitoral por onde são eleitos. O Presidente da República e o Primeiro-Ministro são eleitos por sufrágio directo, se bem que, esporádicamente, quem se submete a eleições legislativas, nem sempre acaba por ser Primeiro-Ministro. No entanto neste país é tradição ser eleito Primeiro-Ministro o candidato partidário que ganha as eleições.

Portanto, nestes dois casos, deveria haver um certa contenção verbal por parte dos "comentadores-analistas-fazedores-de-opinião". O julgamento final pertence ao povo eleitor, que fará o balanço do desempenho de cada um daqueles magistrados da Nação. Continuarmos na chinfrineira actual, alimentada pelos adversários políticos e por todos os que querem opinar, acabamos todos num comportamento desregrado, sem cortesia para com os mais altos cargos da República. Seria bom que houvesse limites, neste caso, tal como há limites na condução do tráfego automóvel: uns correm na faixa direita, outros na faixa esquerda. Se desrespeitarem esta regra, vai haver anarquia, choques frontais, mortes, acidentes diversos... E o trânsito não segue, fica parado, não vai em frente. Há regras que devemos observar, se queremos tirar benefícios das circunstâncias.



publicado por Evaristo Ferreira às 14:55 | link do post

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

FIM DE CICLO...

A ENTREVISTA DE SÓCRATES

SÓCRATES NA RTP

PASSOS DE JOELHOS

DESCRÉDITO TOTAL

COM PAPAS E BOLOS...

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO!

OS PROFETAS DOS "MERCADOS...

QUE SE LIXE O "PÚBLICO"

OS PAPAGAIOS DO COSTUME

arquivos

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

links
blogs SAPO
subscrever feeds