Terça-feira, 21 de Junho de 2011

Assistimos ontém a uma cena pungente desenrolada na Assembleia

da República. Fernando Nobre, ex-candidato à Presidência da República, émulo de Cavaco Silva, convidado por Passos Coelho para cabeça de lista por Lisboa às legislativas de 5 de Junho, tendo a promessa de que iria ser eleito para a Presidência da Assemleia da República, apresentou-se no hemicíclo, sózinho, ignorado, sem ninguém para o receber, perdido naquele labirinto de "profissionais da política", a quém ele sempre menosprezou, e agora ali estava ele, sem saber o que fazer. Era um homem só, ignorado pelos seus pares, à espera de ser socorrido... Foi uma cena patética, carregada de pungente falta de solidariedade e excesso de maquiavelismo político. Mais tarde, depois de preenchido o "cadastro", Nobre foi sujeito a votação do seus pares, sendo rejeitado na primeira votação. Insatisfeito com o resultado, Fernando Nobre aceitou ir a segundo escrutínio. Pior, ainda: foi novamente rejeitado, mas com menos um voto. Foi uma humilhação, para Nobre, e uma derrota para Passos Coelho. Todavia, este episódio, mostra que em política, nada está préviamente ganho. Os deputados deram uma lição política, optando pelo bom senso, pelo rigôr e pela competência na escolha para a hierarquia do segundo magistrado da Nação.

A derrota de Fernando Nobre tem muitas leituras, conviria a alguns,

mas, quem deve estar mais satisfeito com esta derrota, deve ser Cavaco Silva. Fernando Nobre, enquanto candidato à PR, atacou Cavaco Silva, exigiu-lhe esclarecimentos sobre a moradia da Coelha, sobre a venda de acções do BPN, mas Cavaco Silva fechou-se em copas, e acusou Fernando Nobre de lançar "suspeitas infundadas". No dia das eleições, Cavaco Silva dirigiu um ataque a todos aqueles que o "acusaram de falsidades", e com tal veemência o fez, que até se esqueceu de que, após ser eleito, era o "Presidente de todos os portugueses". Cavaco Silva elogiou os portugueses que o tinham apoiado, e demonizou os que contra ele votaram. Nesta hora, Cavaco Silva deve ser a pessoa mais feliz, com a derrota de Fernando Nobre. Já não teme por ser "susbstituido" por aquele que foi seu "inimigo", nem tem que lhe apertar a mão nas cerimonias protocolares. Por outro lado, Fernando Nobre (e todos os chamados independentes), não devem esquecer que, para fazer parte da classe política, não se pode rejeitar esta, nem tão pouco acusá-la por ser a causa de todas as "desgraças do país". Em Roma, sê romano.

A rejeição de Nobre, é tambem uma derrota do oráculo Marcelo Rebelo de Sousa. Tentando jogar com uma "dupla", Marcelo, na sua homilia dominical da TVI, explicou porque apostava (áquela hora) na eleição de Nobre. "É possivel: só o PSD tem 108 deputados; o resto virá do CDS/PP ou até do PS". Para Marcelo "eram favas contadas". O resultado prova que Marcelo está a perder qualidades como adivinho-mor.



publicado por Evaristo Ferreira às 14:42 | link do post | comentar

mais sobre mim
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

FIM DE CICLO...

A ENTREVISTA DE SÓCRATES

SÓCRATES NA RTP

PASSOS DE JOELHOS

DESCRÉDITO TOTAL

COM PAPAS E BOLOS...

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO!

OS PROFETAS DOS "MERCADOS...

QUE SE LIXE O "PÚBLICO"

OS PAPAGAIOS DO COSTUME

arquivos

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

links
blogs SAPO
subscrever feeds