Terça-feira, 22 de Março de 2011

-- Cavco Silva mantem-se mudo e quedo no seu alcazar de Belém, alheio à crise política em desenvolvimento, fazendo ouvidos moucos aos apelos para intervir, vindos de todos os quadrantes, como seja Ramalho Eanes, Mário Soares, Marcelo Rebelo de Sousa, Ricardo Espírito Santo, o presidente da CIP, etc. Cavaco Silva continua esfíngico no seu labirinto de Belém, deixando o país numa situação desesperada, tal como fez o cardeal D. Henrique, até à hora da sua morte, em Almeirim: morreu impotente e sem conseguir indicar um sucessor para chefiar o reino, deixando o caminho livre para Filipe II de Espanha anexar Portugal. Cavaco Silva disse, em campanha eleitoral, que seria um "Presidente mais activo" durante o seu segundo mandato. Na tomada de posse, disse que iria exercer uma "magistratura de influência", acusou o Governo de José Sócrates de ser o responsável pela crise financeira, económica e social do país, e tambem da crise que assolou os States e a União Europeia... Cavaco Silva ignorou a origem da crise financeira que assolou as economias ocidentais. No dia das eleições, Cavaco Silva disse o que disse sobre os seus adversários, ignorando que, depois de eleito, era o Presidente de todos os portugueses.. Cavaco Silva galvanizou os boys do PSD, a Geração à Rasca e desafiou a juventude de hoje a seguir o exemplo dos jovens que foram forçados a fazer a guerra do Ultramar, criando, assim, um conflito diplomático com os países da CPLP...Cavaco Silva mantem-se em silêncio, por rancor, por mesquinhez, para se vingar dos adversários que lhe colocaram problemas de ética política. Na situação caótica em que o país se encontra, Cavaco Silva mantem-se rancoroso e deixa a oposição zurzir sobre o Governo, sendo incapaz de intervir, como é seu dever. Não está em causa a queda do Governo, o que está em causa é o momento, é a ocasião, quando o país necessita de mostrar confiança, unidade e credibilidade, às instituições europeias e aos "mercados"... Os juros da dívida a cinco anos atingiram hoje os 8,00 por cento. Amanhã poderá ser o descalabro, por inépcia e vingança de quantos têm o dever de defender o país. Estamos fartos deste frenezim caótico e enlameado do "quanto pior, melhor". Acabe-se com o alarido, aprove-se o PEC IV, e, em troca, marquem-se eleições para daqui a tres meses... A falar é que a gente se entende. Acabe-se com o silêncio da esfinge, que se vai esboroando no calor do deserto.

 



publicado por Evaristo Ferreira às 14:52 | link do post | comentar

mais sobre mim
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

FIM DE CICLO...

A ENTREVISTA DE SÓCRATES

SÓCRATES NA RTP

PASSOS DE JOELHOS

DESCRÉDITO TOTAL

COM PAPAS E BOLOS...

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO!

OS PROFETAS DOS "MERCADOS...

QUE SE LIXE O "PÚBLICO"

OS PAPAGAIOS DO COSTUME

arquivos

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

links
blogs SAPO
subscrever feeds