Terça-feira, 8 de Fevereiro de 2011

Marcelo Rebelo de Sousa, o Asterix dos "cenários políticos", eterno candidato à Presidência da República e "oráculo-mor" da nossa praça, trouxe esta semana um "cadáver esquisito" para dissecar no sermão dominical da TVI. Marcelo está para a política como o professor Karamba está para a magia do curandeiro. Marcelo não gosta do contraditório, e sempre que a isso é obrigado, por exemplo nos debates televisivos após as eleições legislativas ou para a PR, o professor "apaga-se" perante o traquejo e a verborreia dos demais comentadores. O Professor gosta mais de falar sózinho, seja na forma de "sermão", seja na forma livre de matraquear, falando de tudo e mais alguma coisa, a partir dos estúdios da TVI em Queluz, da RTP-África em Moçambique, em Cabo Verde ou na RTP Internacional directamente dos States ou do Brasil... Mas sempre com guião previamente estabelecido, e num "cenário" que mostre ser espontâneo.

O Professor Marcelo continua igual a si próprio, inconfundível e criativo. Encenador conhecido pelos seus truques, Marcelo veio agora dissertar sobre "defunto" [José Sócrates]. Marcelo disse na TVI que "o Governo está morto". Só não disse quem foi o assassino, deixando, assim,  pairar a suspeita sobre si mesmo. Marcelo tambem não disse quem vai ser o "coveiro" do "morto", mas tudo leva a crer que será ele mesmo a enterrar o "defunto". Não lhe ficava nada mal, se se apresentasse como cangalheiro para fazer o enterro do "cadáver esquisito". Ao descrever esta cena, o criador de "cenários políticos,"salivava" de contentamento e pigarreava sonoramente, como se tivesse bronquite.  Devemos desculpar a perfomance do Professor, por não saber estar em palco, pois um bom actor não pigarreia quando está em cena.. 

Marcelo atirou a matar sobre o Governo e sobre o primeiro-ministro, por isso deve ser responsabilizado pela morte do "defunto". Quanto ao sonho acalentado pelo Professor -- chegar a ser eleito para a PR, com os votos do seu partido -- a partir de agora pode tornar-se apenas no "sonho de uma noite de verão". É o que acontece a todos aqueles que são capazes de "matar" para poderem ganhar vantagem sobre os seus adversários. Se tudo isto não passasse de um "cenário político", patético e ridículo, daria, no mínimo, para uma ópera bufa.

(Cortesia do Jornal de Angola)



publicado por Evaristo Ferreira às 14:59 | link do post | comentar

mais sobre mim
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

FIM DE CICLO...

A ENTREVISTA DE SÓCRATES

SÓCRATES NA RTP

PASSOS DE JOELHOS

DESCRÉDITO TOTAL

COM PAPAS E BOLOS...

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO!

OS PROFETAS DOS "MERCADOS...

QUE SE LIXE O "PÚBLICO"

OS PAPAGAIOS DO COSTUME

arquivos

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

links
blogs SAPO
subscrever feeds