Terça-feira, 6 de Novembro de 2012

Esta gente que prometeu "cortar nas gorduras do Estado" e não aumentar os 

impostos (mas que outra coisa não tem feito), transformou a nossa vida numa "apagada e vil tristeza", como diria o vate. O quotidiano das nossas vidas, com esta gente a (des)governar o país, foi transformado num inferno. Apetece-me citar o Eça: este país parece uma choldra. O desânimo está a apoderar-se de mim. A desilusão -- quanto ao futuro -- é total. Estou farto de ouvir o lento matraquear do ministro das Finanças; estou cansado de ouvir o desclassificado Dr. Relvas; não consigo entender o que pretende fazer do Ensino, o ministro-matemático Nuno Crato; cansa-me ouvir a minisra da Lavoura a prometer mundos e fundos do QREN, quando é sabido que Vitor Gaspar não dá cheta para o investimento; irrita-me ouvir o ministro Álvaro quando fala nos "maiores investimentos de sempre", vindos de multinacionais, que estão a cortar no investimento e a vender nacos de activos, por falta de financiamento; o ministro da Solidariedade, Mota Soares, dá-me vontade de rir quando diz que vai aumentar os mais carenciados, mas depois cria um corte de 10% nos subsídios de doença e desemprego; O ministro dos Estrangeiros, pai do Partido do Contribuinte, vive encafuado nas Necessidades, para mais tarde recordar que o "enorme aumento de impostos" não é da sua autoria (não me vêem na foto, pois não? -- responderá mais tarde). O presidente Cavaco Silva, deixou de promover os Roteiros, ou seja, as suas viagens pelo país real, onde costumava criticar Sócrates, com a frase "há limites para os sacrifícios do povo". Agora distingue-se pelo silêncio esfíngico. Nos mentideros fala-se em doença, o presidente sofre de amnésia, afirmam alguns. Antes isso, do que sofrer de Alzeimer. A amnésia trata-se com as leituras... dos Roteiros escritos pelo presidente.

Este sentimento de "apagada e vil tristeza" seria aliviado, ou totalmente eliminado, se pudesse

deslocar-me ao Sahra, por oito dias, a fim de adquirir um novo jeito de encarar a vida com mais

confiança. Para isso, o melhor fazer uma viagem pelas areias do deserto, onde pouco ou nada

se vislumbra, a não ser a imensidão do vasto areal... À noite, o deserto é um altar de silêncio.



publicado por Evaristo Ferreira às 15:25 | link do post | comentar

1 comentário:
De Francisco Clamote a 8 de Novembro de 2012 às 23:25
Uma boa sugestão. Vou ponderar. Abraço.


Comentar post

mais sobre mim
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

FIM DE CICLO...

A ENTREVISTA DE SÓCRATES

SÓCRATES NA RTP

PASSOS DE JOELHOS

DESCRÉDITO TOTAL

COM PAPAS E BOLOS...

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO!

OS PROFETAS DOS "MERCADOS...

QUE SE LIXE O "PÚBLICO"

OS PAPAGAIOS DO COSTUME

arquivos

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

links
blogs SAPO
subscrever feeds